Qual o proposito da vida?

See the source image

Se olharmos para maneira que estruturamos nossos planos, pensamentos e idéias percebemos que estamos sempre focados em um propósito ali na frente. Para alguns essa meta é simplesmente o dinheiro, para outros uma vida de prazer, para outros ainda uma combinação dos dois. Apenas para poucos há espaço para ver que existem coisas que não são prazeres físicos e sensoriais diretos, mas um prazer sutil, uma sensação de paz que vem de levar uma vida correta e ter um papel no esquema do mundo. E ainda raros são aqueles que vendo que tudo que nos circunda tem um prazo de validade muito curto, questionam o próprio objetivo da vida. Não como uma indagação curiosa ou casual, mas com a força de alguém que busca um sentido para si mesmo na roda do mundo. Quando uma pessoa busca por essa resposta e encontra um mestre com o qual ele se conecta, confia e estuda, existe uma transformação completa dessa pergunta: “Qual o propósito da vida?”

Se for dito que o propósito da vida está contido na própria vida, teremos um problema lógico. “A causa não pode estar contida no efeito. Ela tem que existir independente do “efeito” para que seja a causa.” Esse entendimento é bem simples apesar de termos uma tendência a dizer que: “o propósito da vida é viver”.

Se for dito que o propósito da vida é a morte, ou algo que deve acontecer depois da morte, teremos uma inconsistência quanto a impossibilidade de estabelecer uma inteligência no universo. Tudo que nos circunda é banhado em causa e efeito, nada está acontecendo por acaso. A ciência e o conhecimento permeiam tudo que está a nossa volta. O acaso é simplesmente uma expressão pragmática da nossa ignorância ou incapacidade de determinar a causa de um evento. Nesse mundo, que é todo inteligência, dizer que o propósito da vida é morrer ou ir para algum outro lugar diferente de onde estamos não faz sentido. Por que teríamos nascido então? Nascer para morrer? Se já estávamos mortos antes, não iríamos nascer se o propósito fosse a morte. E menos ainda ir para outro lugar, porque teríamos parado aqui então? Um erro divino? Por mais que possamos escutar esse tipo de afirmação ela também não entra em nosso coração.

Assim se existe um propósito para vida, esse propósito deve ser preenchido enquanto vivo, e viver não significa se manter vivo, mas usar do nosso livre arbítrio, sem o qual essa pergunta não faria sentido nenhum. Então a pergunta: “Qual o propósito da vida?” se converte sutilmente para a questão: “Como usar meu livre arbítrio enquanto vivo?”, em outras palavras “Como gostaríamos de viver?”. Porque afinal essa é a nossa única escolha. Não escolhemos nascer, muito menos morrer se temos que usar nosso livre arbítrio, esse uso vai ser na forma de como queremos passar esse tempo por aqui. E surpreendentemente quando nos fazemos essa pergunta muitas vezes reparamos que não vivemos da maneira que gostaríamos.

Essa é uma descoberta incrível, não vivemos como gostaríamos e ainda assim queremos encontrar algo para fazer nessa vida como um objetivo depois dela. Se realmente paramos pensar, percebemos que vivemos presos pelos nossos próprios ideais e com uma habilidade de expressão muito aquém do que precisamos para viver em paz. Começamos com uma idéia absorvida da sociedade de como devemos viver e aos poucos percebemos que não controlamos o mundo a nossa volta. As frustrações se somam e se instalam progressivamente na nossa mente, gerando stress e outras doenças psicossomáticas. Vencemos o mundo, ganhamos dinheiro, vencemos desafios, mas o custo que pagamos nesse processo com a nossa saúde, emoções e depressão, que consomem todos os recursos que alcançamos na forma do dinheiro e o próprio sentimento de conquista. Não que esse seja nosso pensamento a todo o momento, mas esse é pensamento do final do dia, ou  nos momentos que estamos sós.

Acordar para esse fato também é algo que não é simples, nossa mente está programada a pensar, a julgar e competir a tal ponto que começamos a obter prazer em ver a derrota do próximo. Seja através de uma pessoa que passa por nós com um pouco mais de peso e o seu desajeito nos conforta, seja de ver o time do vizinho perdendo, seja porque vejo que controlo as pessoas a minha volta por culpa ou vergonha. Apesar desse comportamento ser comum entre seres humanos é importante notar que ele não é natural à espécie humana, por um motivo muito simples, esse prazer requer uma divisão em relação ao outro que não é real. E é por isso que quando olhamos de perto o sofrimento da outra pessoa nossa humanidade não nos deixa sorrir.

Na biologia aprendemos que toda vez que existe algo comum que não é natural, esse fato se dá devido a um terceiro fator que influencia a massa da população estudada. Nesse caso o terceiro fator é a própria ignorância instalada entre as pessoas e grupos sociais que se propaga em “moto perpétuo”. Por ignorância grupos são perseguidos, o grupo que é discriminado, se fecha, se organiza e se fortalece e ele mesmo agride o outro que se fortalece se fecha e assim continua.

Se quisermos viver em paz e harmonia uns com os outros, talvez romper com esse padrão baseada na ignorância instalada em nós seja um propósito nobre na vida para ser escolhido. Porque no final estamos contribuindo para nós mesmos e para o mundo; e como ser humano ser uma fonte de paz e alegria para as pessoas é o que tem de mais gratificante e prazeroso para se fazer.

Muitos sábios colocam o propósito da vida como autoconhecimento e isso de fato é uma verdade, já que o próprio nascimento é devido à ignorância da nossa verdadeira natureza; mas as vezes essa é uma resposta muito seca para um mundo com tantas necessidades por compaixão como nós vivemos.

Do ponto de vista pessoal podemos colocar o autoconhecimento como propósito, mas do ponto de vista social o propósito será sempre produzir uma Terra do jeito que gostaríamos de viver combatendo as diversas expressões da ignorância do “eu” nos comportamentos humanos.

PORQUE EU DEVERIA CRIAR O MEU PROPÓSITO DE VIDA?

Vamos direto ao ponto!

Segue abaixo uma lista de todos os benefícios que você vai experimentar na sua vida ao vivê-la com um propósito consciente. E, ao longo do texto, todos esses benefícios serão fundamentados com artigos científicos que sustentam cada um deles.

Em resumo, a ciência, através de diversos estudos, comprova que pessoas com um forte senso de propósito na vida:

  • São mais felizes e realizadas pessoal e profissionalmente.
  • São mais motivadas, apresentando melhor desempenho nas suas atividades.
  • Têm mais sucesso na realização de seus projetos pessoais e profissionais.
  • Têm mais foco e clareza mental.
  • Fazem escolhas com maior assertividade.
  • Têm melhor saúde física, mental e psicológica.
  • Vivem mais tempo.
  • Estão menos suscetíveis à dependência química.
  • São mais resilientes ao stress.
  • São menos suscetíveis à depressão e suicídio.
  • Têm maior autoestima.
  • Têm melhor qualidade de sono.
  • Têm melhor qualidade de vida.
  • Têm maior senso de integridade.
  • Têm maior percepção de que o que são e o que fazem é importante para o mundo.

Basicamente o que viver uma vida com propósito nos traz é uma melhor experiência de vida ao longo de toda a nossa vida em seus diferentes ciclos e desafios.

o pensador Roman Kznaric:

“Uma das descobertas mais importantes da história ocidental é que ter esse tipo de meta ou propósito a alcançar é uma das rotas mais certeiras para uma vida profundamente satisfatória. Na verdade, se há uma resposta à pergunta sobre o sentido da vida, essa é uma possibilidade de peso.”

Já Aristóteles foi mais direto nessa reflexão do porquê devemos buscar ter um propósito de vida:

“Toda pessoa deve ter algum objetivo para o qual dirigir a sua boa vida e todos os seus atos serão conduzidos a ele, uma vez que não ter uma vida organizada em função de um determinado fim é um sinal de grande tolice.”

COMO DEFINIR MEU PROPÓSITO DE VIDA?

Desculpe-me, aqui vou ter que dificultar um pouco a sua vida, mas por um motivo nobre. Seria ótimo poder criar uma definição simples e direta, no formato dicionário, para essa pergunta e entregá-la para você de mão beijada. Mas também seria perigoso e simplista.

Perigoso porque uma definição fechada iria limitar suas possibilidades de ganhar um entendimento mais integral e completo sobre o assunto. E porque sem esse conhecimento mais profundo você perde todo o potencial transformador que esse tema pode trazer para a sua vida, felicidade e conquista dos seus sonhos.

Além disso, seria simplista reduzir uma das perguntas existenciais mais importantes da humanidade em uma resposta padrão estilo McDonald’s (e no fundo nós queremos te desafiar para que até o final deste texto você diga o que é propósito de vida para você!).

Então vamos pelo caminho mais longo que também é o que oferece as melhores paisagens. Pois como nos alertou Buda: “A felicidade é o caminho, e não o destino”.

Para começar essa caminhada vamos ver o tema propósito de vida por 3 ângulos diferentes; as 3 principais formas que nós seres humanos usamos para interpretar a nossa realidade: Ciência, Religião e Filosofia.

O que os 3 grandes pilares dizem a respeito de Propósito de vida?

Ainda mais importante… Será que existe uma convergência entre os três modos de ver a vida?

E aqui fica um spoiler: Sim! Ter um sentido na vida é algo que os 3 grandes pilares do pensamento humano colocam como fundamental para uma vida que valha a pena ser vivida. Cada um dos 3 pilares faz perguntas diferentes e busca a resposta de formas diferentes, mas as 3 visões acabam chegando no mesmo ponto de convergência:

Criar um Propósito de vida é o melhor investimento do seu tempo e energia se você quiser ter uma vida com prazer e significado.

 

SAIBA QUAL É O SEU PROPÓSITO DE VIDA. TORNE ISSO SUA PRIORIDADE E COLHA OS BENEFÍCIOS AO LONGO DA SUA VIDA.

Independentemente de qual rota você quiser seguir:

  • A rota da Religião que te ajuda a revelar qual é o propósito da sua alma nesta vida; qual é o projeto que você está designado a seguir.
  • Ou a rota da Ciência e Filosofia que te ajuda a criar um propósito para que a sua experiência de vida seja plena e realizadora.

A rota escolhida não importa por 2 motivos:

1. Ambas levam para o mesmo lugar: uma sensação de realização, plenitude e felicidade ao longo das diversas etapas da sua vida. Independentemente do que você acredita e do que melhor cabe para você, ambas as rotas buscam, através do sentido que você atribui a sua vida, maximizar a sua experiência de realização nesta vida.

2. Você nunca saberá ao certo se você criou ou se revelou o seu propósito. Eu digo isso por experiência própria e por já termos guiado mais de 1000 alunos no caminho para a materialização de um propósito de vida: você sabe qual é o seu propósito, mas não consegue identificar a sua origem. Ao longo do processo para revelar ou criar o seu propósito, a cada etapa você sente que algo está emergindo e ficando mais claro. Como as peças de um quebra-cabeça que vão se encaixando e uma figura vai ficando cada vez mais clara para você. Se essa figura já estava lá e você está apenas a revelando ou se ao juntar determinadas peças você está criando uma imagem, não há como saber. E pouco importa porque você já estará vivendo os benefícios desse processo: sentimento de mais energia, motivação, foco, determinação e prazer no dia a dia.

Escolha, entre qualquer dessas afirmações, a que melhor conversa com seu coração. Ou ainda melhor, crie uma definição sua que faça seu coração vibrar. Pois como diz Joseph Campbell, “Siga o que enche seu coração de alegria e o universo abrirá portas onde antes só existiam muros”, porque “O maior privilégio da vida é ser quem você é.”.

Coloque toda a sua energia para materializar o seu propósito de vida.

 

Vanessa Bonafini

 

 

Evoluir, crescer, é superar nossos limites próprios!

Imagem relacionada

Dor do crescimento…

Lembro-me que quando criança, sentia fortes dores nas pernas e um médico disse que era a dor do crescimento. A estrutura óssea estava se desenvolvendo e isso causava dores. Nada preocupante, era o curso natural da vida. Assim acontece com nossa vida em todos os aspectos… Se você quiser crescer profissionalmente, terá de se dedicar aos estudos com  afinco, lutar para encontrar um emprego, às vezes um que nem foi sonhado por você, mas que de algum modo pode servir de ponte para no futuro, chegar aos lugares desejados… Talvez você tenha de sair sob um sol escaldante entregando currículos, receber vários nãos ouvir um sim, e acredite: neste momento estará  iniciando uma nova fase de desafios em sua vida…

Novas lutas, novas conquistas e um inevitável CRESCIMENTO.

Se você se conscientiza da necessidade constante e eterna de crescimento humano, você vai entender que sentirá  dores inimagináveis, mas vai seguir  mesmo assim, porque sabe que o preço a se pagar pelo comodismo vai ser bem maior que as dores da evolução. Terá de desapegar de conceitos pré concebidos sobre si mesmo para tornar-se alguém mais evoluído. Olhar pra dentro não para esquecer -se do mundo lá fora, mas para encontrar formas de viver melhor neste mundo e PARA este mundo… Somos seres limitados com possibilidades ilimitadas de crescimento e é por isso que dói… Porque quando você acha que está pronto, você percebe que há muita corda para esticar, e lembra do que o  médico falou que acontece quando os ossos esticam? Dor… Mas como ninguém quer sentir dor, muitos fogem dela e simplesmente atrofiam todas as suas chances de crescimento. Tentando se proteger do sofrimento, criam crenças limitantes e condenam seu processo evolutivo ao fracasso.  E repito: isso vale para todos os aspectos da nossa vida, pois não adianta, por exemplo, ser um profissional brilhante e bem-sucedido, se você não enxerga a alma de quem convive com você, se você evoluiu como profissional mas seu lado humano caiu no abismo da prepotência, do materialismo, do egocentrismo…

Evoluir, crescer, é superar limites próprios…

Muitas vezes é conseguir levantar da cama todos os dias quando seu corpo pede para hibernar, quando seu desânimo lhe dá motivos para desistir. Enfrentar situações pequenas, todos os dias, e gigantes, muitas vezes na vida, é ir além dos limites, é crescer… Fazer certas coisas, mesmo não querendo, porque sabemos que são as coisas certas a fazer, é crescer…

Vanessa Bonafini

Evoluir dói

Trago verdades: evoluir dói❗️Não pense que após o ‘click’ do despertar você começará a ouvir vozes de anjos, passarinhos voarão a sua volta, você ganhará na mega sena… Não❗️
.
👉🏻 Você vai perder amigos, pois vai perceber que eles não estão na mesma ‘vibe’ que você, e a distância se tornará inevitável…
.
👉🏻 Vai ver que prefere estar sozinho ao se cercar de pessoas que não agregam em nada❗️
.
👉🏻 Ao começar a tomar consciência de sua vida, de seus atos, do momento presente, você vai perceber o quão humano e falho você é❗️
.
👉🏻 E ao investigar o seu íntimo, vai ver que sente inveja de coisas que não imaginava, que tem pensamentos negativos, que sente ciúmes, mas reprime tudo isso e tenta jogar para debaixo do tapete… É nessa hora que você começa a curar as suas sombras❗️
.
🤔 Identificando-as❗️É o processo mais doloroso, e o motivo pelo qual reencarnamos nessa dimensão, neste planeta! É normal sentir-se triste, deprimido, sozinho…
.
👉🏻 Geralmente, buscamos livros / vídeos/ informações para poder superar essa fase e nos fortalecermos… E então você começa a ser atraído para atividades e lugares que jamais teria imaginado ir… E conhecer pessoas que jamais tinha se identificado antes…
.
👉🏻 E isso tudo te faz verdadeiramente FELIZ 😃 Você percebe que começou a se encaixar… E todos os dias tenta ser uma pessoa melhor, tanto para você quanto para os outros! E o Universo responde às suas atitudes, e você começa a viver a vida que sempre sonhou…
.
👉🏻 Então uma hora você para de pedir, e só agradece, por tudo.

Resultado de imagem para evoluir doi
Vanessa Bonafini

 

 

Morrer é ridículo

A morte, por si só, é uma piada pronta.
Morrer é ridículo.
Você combinou de jantar com a namorada,
está em pleno tratamento dentário, tem planos pra semana que vem,
precisa autenticar um documento em cartório, colocar gasolina no
carro e no meio da tarde morre. Como assim?
E os e-mails que você ainda não abriu, o livro que ficou pela metade, o telefonema que você prometeu dar à tardinha para um cliente?
Não sei de onde tiraram esta idéia:
MORRER!!!
A troco? Você passou mais de 10 anos da sua vida dentro de um colégio
estudando fórmulas químicas que não serviriam pra nada, mas se manteve
lá, fez as provas, foi em frente. Praticou muita educação física,
quase perdeu o fôlego, mas não desistiu. Passou madrugadas sem dormir para
estudar pro vestibular mesmo sem ter certeza do que gostaria de fazer
da vida, cheio de dúvidas quanto à profissão escolhida, mas era hora
de decidir, então decidiu, e mais uma vez foi em frente…
De uma hora pra outra, tudo isso termina numa colisão na freeway,
numa artéria entupida, num disparo feito por um delinqüente que gostou do seu tênis.
Qual é?
Morrer é um chiste.
Obriga você a sair no melhor da festa sem se despedir de ninguém,
sem ter dançado com a garota mais linda,
sem ter tido tempo de ouvir outra vez sua música preferida.
Você deixou em casa suas camisas penduradas nos cabides, sua toalha úmida no varal, e
penduradas também algumas contas.
Os outros vão ser obrigados a arrumar suas tralhas, a mexer nas suas gavetas,
a apagar as pistas que você deixou durante uma vida inteira.
Logo você, que sempre dizia: das minhas coisas cuido eu.
Que pegadinha macabra: você sai sem tomar café e talvez não almoce,
caminha por uma rua e talvez não chegue na próxima esquina,
começa a falar e talvez não conclua o que pretende dizer.
Não faz exames médicos, fuma dois maços por dia, bebe de tudo, curte
costelas gordas e mulheres magras e morre num sábado de manhã.
Isso é para ser levado a sério? Tendo mais de cem anos de idade, vá lá, o
sono eterno pode ser bem-vindo. Já não há mesmo muito a fazer, o corpo não
acompanha a mente, e a mente também já rateia, sem falar que há quase
nada guardado nas gavetas.
Ok, hora de descansar em paz.
Mas antes de viver tudo? Morrer cedo é uma transgressão,
desfaz a ordem natural das coisas. Morrer é um exagero.
E, como se sabe, o exagero é a matéria-prima das piadas. Só que esta não tem graça.
Por isso viva tudo que há para viver.
Não se apegue as coisas pequenas e inúteis da Vida… Perdoe… Sempre!!!

Deixe espalhado pelo caminho da sua vida amor, quanto mais lagrimas rolarem quando voce se for, mais certeza o mundo tera que o tempo que voce passou aqui valeu a pena !!!

Pedro Bial

Imagem relacionada

PAZ INTERIOR !!!

Ter paz interior implica ter harmonia e bem-estar emocional, sentir-se satisfeito consigo mesmo apesar das lutas do dia a dia. Entretanto, não é fácil liberar a mente quando estamos sempre ocupados em um entorno agitado, e às vezes perturbador.

Alcançar a paz interior é para muitos um desejo sem esperança, mas isso não precisa ser assim. Pequenas mudanças e estratégias podem ajudá-lo a relaxar a mente e a alcançar essa paz da qual você tanto precisa. Ela será benéfica tanto para você quanto para as pessoas do seu entorno.

Contudo, o caminho em direção à paz interior não é simples. Alcançar a paz interior é um processo que exige estar disposto a deixar partir o que é inútile a aceitar todas as suas emoções. Alcançar a paz interior implica estar disposto a descobrir quem você é de verdade, e perceber que só você é capaz de controlar as suas respostas e reações emocionais.

Estabeleça limites

Se a sua vida estiver muito saturada, você terá que estabelecer limites. É possível que você tenha que deixar de fazer algumas coisas menos importantes. Seja sincero consigo mesmo e elimine aquilo que você realmente não precisa. Simplifique a sua vida.

“A simplificação da vida é um dos passos para a paz interior. Uma simplificação persistente criará um interior e exterior de bem-estar que proporcionarão harmonia.”
-Peace Pilgrim-

Alcançar a paz interior

Não faça uma montanha de um grão de areia

Transformar pequenas coisas em grandes problemas só traz uma quantidade desnecessária de estresse. Todos os dias aparecerão problemas, alguns mais importantes do que outros. Você não deve tratar todos do mesmo jeito; é preciso aprender a selecionar e a não se deixar levar pelo estresse gerado por todo o resto.

Uma das melhores formas de tornar a vida cotidiana mais fácil, mais leve, mais positiva e menos estressante é aprender a evitar criar problemas onde eles não existem. Quando estamos estressados ou muito cansados é fácil dramatizar os problemas e extrapolar a sensação de urgência.

Para relaxar a sua mente frente a tudo que parecer um problema, pense se isso realmente importa e para quem, se é tão relevante a ponto de continuar sendo um problema daqui a 5 semanas, 5 meses ou 5 anos. Olhe ao seu redor e preste atenção nos outros. Com certeza você vai perceber que existem pessoas que encaram uma situação mais complicada de forma mais objetiva, e que são capazes de encontrar paz apesar da muralha que estão enfrentando.

Reduza a velocidade

Viver depressa faz com que as nossas emoções disparem, se confundam. Se você diminuir a velocidade das suas ações físicas ao se mexer, ao falar ou ao fazer as coisas (incluindo dirigir, comer, ou trabalhar no seu escritório), o seu nível de estresse automaticamente diminuirá.

Reduzindo a velocidade você irá acumular menos coisas na sua cabeça e poderá perceber melhor os detalhes.

Organize o seu mundo e elimine o que sobrar

Organizar o seu entorno ajudará você a manter a sua mente organizada. Um espaço limpo, arrumado e simples traz clareza e ordem para a sua mente.

Aceite e deixe ir embora

O que se foi, se foi. Aceite e deixe ir embora. Não importa de quem foi a culpa ou o que poderia ter acontecido em outras circunstâncias. Você precisa deixar que esses sentimentos se afastem. Para relaxar a sua mente, você precisa banir todos esses pensamentos negativos e lembranças desagradáveis que o perturbam.

Concentre-se no presente, nas oportunidades que você tem agora. Encare o futuro livre de culpa e de rancor.

Resolva os seus problemas agora

Se você tem um problema, resolva-o. Não deixe que seja o tempo a decidir por você ou quem irá ditar a sua sentença. Solucionar um problema nos liberta do estresse e permite deixar ir embora o que nos faz mal. Você precisa encarar os seus problemas, inclusive quando a solução não for muito agradável ou for difícil de aceitar.

Quanto mais tempo passar, mais difícil será tomar decisões ou aceitar as consequências.

Realmente um aprendizado diário, eu tenho me esforçado muito para colocar em prática no meu dia a dia e posso garantir é possível para todos. Tenho me sentido muito mais leve e de bem com a vida, coisas tão pequenas que incomodavam antes hoje nem dou importância . Viva La Vida.

Vanessa Bonafini.

O que faz sentido para a sua vida?

Nós, humanos, no espectro do universo, menores ainda. Há menos de um ano, a Nasa detectou a existência de água em Marte. E se existe água, existe sentido para a vida. Na grandeza cósmica, somos pequenos, insignificantes. Somos pequenos, sim, mas também somos grandes. Se nos olharmos com outras lentes, veremos que significamos muito. Na Terra, cada vida tem a importância de um universo. O microcosmo do planeta já é grande o bastante. Tanta complexidade às vezes nos confunde. Este início de milênio é daqueles momentos em que a crença na humanidade é questionada. Diante da violência, quase sempre gratuita, da intolerância, do desrespeito à natureza, é inevitável perguntar: qual é o sentido disso tudo? Qual é o sentido da vida?

“Quanto mais louca e imprevisível é a vida, mais pensamos sobre o que ela significa e sobre a nossa transitoriedade aqui”, diz a enfermeira e Ph.D. em política de saúde pública Norma Bowe. Idealizadora e professora do curso Death in Perspective (Morte em Perspectiva), na Universidade Kean, em Nova Jersey (EUA) – com lista de espera de três anos –, Norma acredita que somente ao encararmos a morte podemos descobrir o significado da vida. “Nós, humanos, nos consideramos invencíveis até sofrermos uma primeira grande perda. Só assim para entender o real significado da mortalidade”.

O sentido da vida é o tipo de pergunta que não deve ser respondida, mas mantida como pergunta. Ao longo da existência, vários dilemas vão surgir, e a resposta vai mudar com o tempo. Por isso, é preciso refletir constantemente sobre essa questão em diferentes fases da vida. “O sentido da vida é a própria caminhada, deve estar conectado às coisas que você escolhe no seu dia a dia. O sonho já é outra coisa, é um ponto de chegada, é finito”.

“O sentido da vida é ser feliz” não vale como resposta. “Conhece alguém para quem o sentido da vida seja ser infeliz? A questão é: o que é ser feliz pra você?”,

PERCALÇOS DO CAMINHO­

Mas prepare-se: honrar seu propósito de vida implica perdas. Você terá de abrir mão de convites, oportunidades, hábitos e até mesmo do dinheiro para viver mais de acordo com o sentido que vê na sua vida. Lidar com as renúncias é o maior desafio de se ligar à própria essência. “No sentido filosófico, todo mundo considera que o dinheiro tem menos importância, mas, na esfera prática, ninguém quer diminuir a renda que recebe.

Quem você quer ser? é uma questão que deve vir antes e está acima do que você quer ter, seja cargo, salário, casa, marido/esposa, filho, etc. As pessoas sabem que filho querem ter, mas não pensam que pai/mãe querem ser. Sabem que marido/esposa querem ter, mas não pensam em quem querem ser na relação. Todos estão comprometidos com a mudança do outro. Mas a questão aqui é olhar para si.

Olharmos para dentro inclui nos perguntarmos o que podemos fazer para melhorar o relacionamento ou o emprego em que estamos, antes de trocar tudo o tempo todo, como os integrantes da nova geração (conhecida como Geração Y) costumam fazer. “Devemos trabalhar com atitude em tempo presente, sem perder a visão de médio e longo prazo.

Mesmo diante das surpresas desagradáveis que a vida lhe apresentar, bagunçando todos seus planos e pondo seus sonhos em xeque, é preciso ser capaz de encontrar propósito e significado em cada fase. Somos responsáveis pelas nossas alegrias e decepções, pelos bons e maus momentos que vivemos.

Temos sempre o poder de decidir como reagir à adversidade. Devemos parar de culpar os outros e tomar a responsabilidade pela forma como vivemos. Afinal, a felicidade está muito mais alinhada às nossas decisões do que ao destino que nos apresenta.

Heal – O Poder da Cura na Netflix

Através da experiência de pessoas comuns, cientistas e médicos, o filme mostra relatos e apresenta a maneira como somos capazes de nos curar por meio de medicinas alternativas, provenientes da própria comida e do nosso estilo de vida.
Somos levados a uma viagem onde descobrimos que os nossos pensamentos, crenças e emoções têm um impacto enorme na nossa saúde e na capacidade de nos curar. A ciência presente no filme revela que não somos vítimas dos genes, nem devemos adotar um prognóstico assustador.

Mas claro… você precisa deixar seu ceticismo de lado para entender a mensagem que o documentário quer passar, porque seus fundamentos estão atrelados ao lado místico da vida e embasados pela física quântica.

O fato é que Heal nos convida a pensar que temos mais controle sobre nossa saúde e nossa vida do que fomos ensinados a acreditar. A ideia é dar uma nova compreensão da natureza do corpo humano e do poder curador extraordinário que há dentro de todos nós.

Heal fala basicamente sobre como 90% dos males vividos pela sociedade atual são originados pelo stress.

Desde o stress físico, emocional, até o stress químico originado pelo consumo desenfreado de remédios.

Aborda também soluções práticas para viver uma vida mais leve, incluindo a gratidão e a meditação.

O trabalho da PhD Kelly Turner.

Ela estudou mais de 1500 casos de remissão do câncer, ou seja, quando o câncera não dá mais sinais.

E perguntou para estas pessoas ao redor do mundo o que elas fizeram, quais hábitos mudaram ou adicionaram em suas rotinas.

Ela chegou em muitas respostas, mas 9 dessas respostas foram comuns na maioria dos casos. E elas são:

✓ Mudaram radicalmente a dieta;
✓Assumiram o controle de sua saúde;
✓ Seguiram a intuição;
✓ Usaram ervas e suplementos;
✓ Liberaram emoções reprimidas;
✓ Aumentaram emoções positivas;
✓ Abraçaram suporte social;
✓ Aprofundaram sua conexão espiritual;
✓ Tiveram uma forte razão para viver.

Temos vários bem interessantes como Mudança de Dieta, Seguir a Intuição, Liberar Emoções Reprimidas, Aumentar Emoções Positivas, Aprofundar sua conexão espiritual.

Mas foi o último, que mais chamou minha atenção:

 

Com base no estudo de Kelly Turner podemos então afirmar que o propósito de vida tem poder para curar vidas!

Inclusive, é possível transformar momentos ou fatos desafiadores justamente em uma razão para compartilhar e viver.

Eu acredito de verdade que toda pessoa neste planeta tem uma vocação. E tem o potencial para definir um propósito de vida, que pode curar sua vida fisicamente , mas também emocionalmente, trazendo um novo fôlego e significado.

Com base no estudo de Kelly Turner podemos então afirmar que o propósito de vida tem poder para curar vidas!

Inclusive, é possível transformar momentos ou fatos desafiadores justamente em uma razão para compartilhar e viver.

Eu acredito de verdade que toda pessoa neste planeta tem uma vocação. E tem o potencial para definir um propósito de vida, que pode curar sua vida fisicamente , mas também emocionalmente, trazendo um novo fôlego e significado.

E você já assistiu o documentário ??? Deixe aqui sua opinião .

Vanessa Bonafini