Dieta Plant based

descrição
Uma das etapas mais poderosas que você pode tomar para melhorar sua saúde, aumentar os níveis de energia e prevenir doenças crônicas é mudar para uma dieta baseada em vegetais, sabe – se que a ciência mostra que mudar sua nutrição é uma maneira poderosa de viver mais, ajudar o meio ambiente e reduzir o risco de ficar doente.

Como uma dieta baseada em alimentos integrais pode impulsionar sua saúde

Existem excelentes evidências científicas de que muitas doenças crônicas podem ser controladas, reduzidas ou mesmo revertidas mudando para uma dieta baseada em vegetais e com alimentos integrais.  Pesquisa científica destacada no livro de referênciaThe China Study mostra que uma dieta baseada em vegetais pode reduzir o risco de diabetes tipo 2, doenças cardíacas, certos tipos de câncer e outras doenças graves. Muitas pessoas também relatam maiores ganhos de condicionamento físico , mais energia , inflamação reduzida e melhores resultados para a saúde depois de fazer a troca.

O que é uma dieta baseada em vegetais e alimentos integrais?

Uma dieta baseada em vegetais e alimentos integrais é baseada nos seguintes princípios:

  • Alimentos integrais descrevem alimentos naturais que não são muito processados. Isso significa ingredientes inteiros, não refinados ou minimamente refinados.
  • Com base em vegetais , os alimentos são provenientes de plantas e não contêm ingredientes de origem animal, como carne, leite, ovos ou mel.

Uma dieta baseada em vegetais e alimentos integrais permite que você atenda às suas necessidades nutricionais apenas comendo alimentos naturais e minimamente processados, onde nenhum dos ingredientes vem de animais.

Sua dieta baseada em vegetais e alimentos integrais – os alimentos que você vai adorar

Aqui está uma rápida visão geral das principais categorias de alimentos que você poderá desfrutar de uma dieta à base de plantas, com exemplos:

  • Frutas: qualquer tipo de fruta, incluindo maçãs, bananas, uvas, morangos, frutas cítricas, etc.
  • Legumes: muitos vegetais, incluindo pimentão, milho, abacate, alface, espinafre, couve, ervilha, couve, etc.
  • Tubérculos : vegetais de raiz como batatas, cenouras, , batatas doces, beterrabas, etc.
    Grãos integrais: grãos, cereais e outros amidos em toda a sua forma, como quinoa, arroz integral, milho, milho, trigo integral, aveia, cevada, etc. Até a pipoca é um grão integral.
  • Leguminosas: feijão de qualquer tipo, além de lentilhas, leguminosas e ingredientes similares.

Você também pode desfrutar de muitos outros alimentos – incluindo nozes, sementes, tofu, , farinha e pães integrais e leites à base de plantas. No entanto, recomendamos comer esses alimentos com moderação, pois são mais densos em calorias e podem contribuir para o ganho de peso.

Os benefícios de uma dieta baseada em vegetais e alimentos integrais

Existem vários benefícios importantes na mudança para a nutrição baseada em plantas, todos apoiados por uma excelente ciência. Esses benefícios incluem:

  • Fácil controle de peso: as pessoas que comem uma dieta baseada em vegetais tendem a ser mais magras do que aquelas que não comem, e a dieta facilita a perda de peso e a manutenção – sem contar as calorias.
  • Prevenção de doenças : Alimentos integrais e à base de plantas podem prevenir, interromper ou até reverter doenças crônicas, incluindo doenças cardíacas, diabetes tipo 2.
  • Uma pegada ambiental mais leve : uma dieta baseada em vegetais coloca muito menos estresse no meio ambiente.

Vanessa Bonafini

Qual é a maneira que você pensa sobre saúde e nutrição ?

Créditos da foto: Getty Images

Sem o contexto do todo, perdemos de vista as maiores implicações da ciência e como ela se encaixa no conhecimento existente.

 

 

 

Eu não entendo porque as pessoas tem tanta dificuldade em comer uma comida mais equilibrada, dieta vegetariana não pode ser considerado drástico . Enquanto você pensar que cortar pessoas na mesa de uma cirurgia ou tomar medicamentos para o resto da vida pode ser considerado normal. O ser humano tem se tornado conivente com muitas coisas no meu ponto de vista, triste realidade.

É verdade: o assassino número um do mundo de hoje é evitável e até reversível. As doenças cardíacas matam mais de 600.000 vidas por ano e são responsáveis ​​por 1 em cada 4 mortes. A única dieta que foi clinicamente comprovada para reverter esse número assustador  é uma dieta baseada em vegetais.

Os médicos são muito inteligentes, mas também são humanos e, como todos nós, podem  cometer erros. Admitir falhas é uma pílula difícil de engolir, especialmente quando você tem a tarefa de ajudar as pessoas a melhorar sua saúde. Mas isso deve ser feito para progredir pessoalmente e como sociedade. Seguir a ciência e adaptar a prática atual às melhores evidências disponíveis é uma evolução que mais profissionais médicos precisam seguir. Tratar a causa de qualquer que seja o tipo de doença  não é apenas mais seguro e mais barato, mas também pode funcionar melhor, tratamentos convencionais não abordam a causa e raiz eles simplesmente tratam sinais e sintomas. Não quero generalizar , mais acredito que ainda há muito para se mudar na medicina.

Precisamos ser mais abertos  sobre  seguir as evidências. As populações de vida mais longa do mundo comem predominantemente dietas à base de plantas. Concentre-se em alimentos vegetais coloridos, concentre-se na densidade de fibras e nutrientes. Quando nos concentramos em obter alimentos ricos em nutrientes em nossa dieta e em eliminar alimentos com componentes que são prejudiciais à saúde, estamos preparando o terreno para uma vida mais longa e vibrante.

A educação que os médicos recebem sobre a prevenção e reversão de doenças crônicas é lamentavelmente e nem sempre adequada, considerando a teoria em nutrição que tiveram na faculdade. Então quando prescrevem comprimidos ou procedimentos, estão fazendo o que lhes foi ensinado.

Mais com toda certeza alguns médicos vêm trabalhando diferente nos últimos anos, eles começaram a perceber que eles podem  reverter algumas  doenças e tirar os pacientes dos comprimidos, mudando sua dieta e estilo de vida.

Temos total poder sobre os alimentos que ingerimos e não ingerimos, e quanto mais cedo percebermos isso e mobilizarmos recursos para tornar essa mudança possível, mais saudáveis ​​todos seremos.

Nossa preferência por junk food é um comportamento aprendido, e comportamentos aprendidos podem ser desaprendidos. Ninguém nega que existem muitas forças que nos puxam na direção errada, mas devemos assumir a responsabilidade por nossa própria saúde e por nossas preferências alimentares e afirmar que há outra maneira de comer e viver.

Vanessa Bonafini

Comer consciente

 

 

Uma alimentação consciente, conhecida aqui no EUA como “mindful eating’, nada mais é do que comer com intenção e atenção. Se alimentar deveria ser uma atividade natural, saudável e prazerosa para saciar a fome. No entanto, em nossa sociedade e cultura atual, obcecada por uma dieta abundante de comida, comer é muitas vezes um ato irracional, induzido pelo consumo e pela culpa.

Comer consciente é uma prática antiga e não é uma dieta. Não há menus, cardápios ou receitas. A ideia apenas é ser mais consciente de seus hábitos alimentares, das sensações que você experimenta quando come, e dos pensamentos e emoções que  um alimento desperta em você.

Os benefícios dessa consciência

Ao se alimentar sob uma abordagem consciente, você diminui o stress, o que por sua vez, reduz a chance de você comer por pura razão emocional. Você tem a chance de curar um vasto leque de questões, restrições e alergia alimentares, além de ajudar a gerenciar seu peso sem efeito sanfona ou restrições radicais. Muitas pessoas que lutam com desequilíbrios alimentares reagem sem pensar em seus gatilhos não reconhecidos ou não analisados, sempre disparados por pensamentos e sentimentos. Em outras palavras, há uma repetição de velhas ações e padrões e um sentimento de impotência para conseguir mudar. Esse tipo de alimentação “mindfulness” aumenta sua consciência sobre esses padrões sem julgamento, e cria um espaço entre seus gatilhos e suas ações. Por exemplo, sempre que você perceber que quer comer é preciso fazer uma pausa e perguntar: “eu estou realmente com fome?”Em vez de reagir sem pensar, o comer consciente lhe dá a capacidade de resposta. Você ganha poderes para, finalmente, quebrar velhos padrões automáticos ou habituais e descobrir quais opções funcionam melhor para você. Mas comer consciente só vai funcionar para você, se você torná-lo compatível com o seu estilo de vida.

Conheça o seu alimento , comer consciente é realmente estabelecer uma relação com a comida. Mesmo quando você não tem a menor ideia de onde o alimento que está comendo veio, tente perguntar a si mesma algumas possibilidades: onde teria crescido? Como chegou até aqui? Você não só vai ganhar uma apreciação mais profunda, como vai entender seus hábitos de compra e fazer mudanças no processo também.

Os princípios básicos de Mindful Eating: para poder praticar o mindful eating, é muito importante que você esteja consciente das distrações ao seu redor, sempre trazendo sua atenção de volta para a comida. Mindful eating não é mágica e nem traz resultados da noite para o dia.

Alguns  métodos de mindful eating, alguns estudos  sugerem iniciar com esses seis conselhos básicos:

1 – Respire e confira se você realmente tem fome

2 – Observe a sua comida

3 – Desacelere

4 – Investigue a sua fome durante a refeição

5 – Mastigue bem

6 – Aprecie a sua comida

“Comer é uma necessidade, mas comer com inteligência é uma arte.”

Vanessa Bonafini

Viva intensamente.

VIVA!

 

 

Se pudéssemos ler a história secreta de nossos inimigos, descobriríamos na vida de cada homem tristeza e sofrimento suficientes para desarmar qualquer hostilidade.” (Henry Wadsworth Longfellow)

Viver é muito mais que apenas respirar. As vezes acabamos ficando presos na monotonia da rotina, funcionando apenas no automático . Qual foi a última vez que você fez algo diferente do que está acostumado ?

Realizar coisas que não fazem parte do comum do dia a dia nos faz se sentir vivos !

A vida é curta e, por isso explorá-la e tirar proveito de tudo que ela tem para oferecer, é quase que uma tarefa obrigatória . Você já parou para pensar em como tem  vivido nesses últimos tempos ?

A vida tem seu valor, mas infelizmente não há como mensurá-lo. Por isso devemos apenas viver de modo pleno, fazendo o bem, plantando o amor e cultivando apenas sentimentos de paz, de alegria e de sabedoria. A fragilidade que envolve um corpo humano é tanta que o que ficará é somente o que doamos ao mundo com a pureza das nossas almas.

A pergunta que temos que fazer a nós mesmo é se estamos fazendo tudo o que podemos fazer ou só estamos vivendo por viver.

Vanessa Bonafini

Essa tal de Felicidade !!!

Rotina

 

Felicidade é, realmente, a grande busca do ser humano. É o que está na origem de todos os nossos desejos, sejam eles quais forem. É para sermos felizes que buscamos a prosperidade, o amor da nossa vida, a saúde e a beleza, o sucesso no trabalho, a harmonia em família e tudo mais que podemos imaginar. Mas… é mesmo difícil “encontrar” essa tal felicidade? A felicidade não é o tipo de coisa que se “encontra” nem se “busca” como algo que está fora da gente, como um pote de ouro no final do arco-íris. Não existe felicidade em lugar algum a não ser dentro de você mesmo! A felicidade é que ela vem de uma disposição interior, uma capacidade para ter satisfação com o que se é aqui e agora. Olhe à sua volta e você encontrará alguém que se mostra satisfeito com o que faz, a vida que leva, o seu dia-a-dia, o seu mundo Deixe de lado o pote de ouro e questione interiormente onde está a sua satisfação. Só você pode saber se o calo dói, se a água mata a sede, se a roupa aperta, se a vida satisfaz. O que impede que você tenha satisfação agora? Onde está sua satisfação? Você já parou para se dar uma satisfação sobre os desejos que não realizou ou abandonou no meio do caminho? Entenda que ninguém mais pode lhe proporcionar satisfação a não ser você mesmo. Assuma isso e descobrirá que pode ser feliz agora.

Acredito que ser feliz é o que de fato todos nós almejamos. O problema é que muitas vezes achamos erroneamente que a felicidade é algo externo, quando na realidade, está dentro de nós. A felicidade não está em carros ou celulares, não está em iPads ou apartamentos novos, está dentro de cada um de nós.

Você vai descobrir que felicidade é fazer o outro sorrir, mas infelizmente, as pessoas desaprenderam a sorrir. Estão sempre carrancudas dentro de seus mundos cinzas e corridos. Há coisa mais bela do que uma criança que se abre para o mundo quando fazemos uma simples brincadeira? É lógico que a felicidade em nossa vida moderna é uma tarefa que exige muitos pré-requisitos. Um deles é algum dinheiro que dê segurança. Outro é o tempo para poder curtir esse dinheiro.

A felicidade é algo que se multiplica quando se compartilha. O que te faz realmente feliz? Já pensou nisso? Que tal sair totalmente da rotina e viajar para algum outro país que você sempre quis conhecer? Que tal ser mais feliz todos os dias? Que tal ser feliz hoje o amanhã é outro dia.

Vanessa Bonafini

 

Leveza, um dos melhores sentimentos do mundo.

 

A imagem pode conter: 1 pessoa

 

“Um dos melhores sentimentos do mundo. É quando você percebe que você é perfeitamente feliz sem aquilo que você achava que precisava” Autor desconhecido

Hoje as pessoas estão pesadas, antônimo de leveza, isso porque vivemos em uma sociedade competitiva e que cobra o tempo todo…. Para sobreviver a essa dura realidade, as pessoas informadas têm lutado para conseguir essa tal leveza, e como é que adquirimos esse novo quadro ou dinâmica de vida?

Então começamos a primeiro jogar tudo que pesa, compromete ou estraga nossa vida, sem esse primeiro passo será impossível finalizar nosso objetivo, jogar fora significa tirar pessoas, cargos, amizades, tarefas, pois bem, não é fácil essa tarefa porque começamos como segundo passo dizer NÃO para algumas dinâmicas erradas e disfuncionais em nossas vidas!!

O poder do não é de grande importância, pois, começará a discriminar o que então ficará em sua vida! Em terceiro ponto, trabalharmos a culpa que é a grande vilã e inimiga da leveza, pois ela é dura e tem a direção de trazer peso e nos sabotar, trabalhar a culpa é imprescindível para o processo, porque mudaremos coisas que não estarão de acordo com as pessoas ao nosso redor, até porque muitas mudanças envolverão a própria dinâmicas com elas!

Livrando-se da culpa e aprendendo a ter consciência de que nós temos necessidades também, ou seja, temos deveres sim, porém direitos também, como todo ser humano.

E finalizando o processo, ter a consciência de que aprovação talvez não entre nesse momento em nossas vidas, mas a nossa leveza entra um toque de egoísmo necessário para terminar esse estágio de sobrevivência ao peso da vida, mas com muita consciência das nossas escolhas…

Só assim poderemos ter qualidade de vida com leveza, quando você percebe que é perfeitamente feliz, sem aquilo que você achava que precisava.

Vanessa Bonafini

Depois dos 40 anos não há depois, é tudo agora!

depois dos 40

 

Os 40 anos são um momento de renovação de vida. Não somos mais tão novos quanto aos 20 anos, mas ainda estamos jovens e temos tudo o que é preciso para viver a melhor fase de nossas vidas, experiência, maturidade, consciência, e muitas vezes um desejo de renovação.

Para as mulheres, essa nova fase pode ser ainda mais intensa, porque estão mais seguras de si mesmas e do que querem para suas vidas, nos relacionamentos românticos, amizades, vida profissional. Essas mulheres se priorizam, vivem de acordo com suas próprias vontades, não precisam mais provar nada a ninguém e nem buscam ser aceitas. Sua felicidade depende apenas de si mesmas.
Depois dos 40 anos, o pensamento feminino muda, desembaraça. A intimidade não é mais performance, exaustão, é fazer o que se gosta e do jeito que gosta. É aproveitar dez minutos com a intensidade de uma noite inteira, é reconhecer o rosto do próprio desejo no primeiro suspiro, é optar pela submissão por puro prazer, sem entrar na neurose da disputa ou do controle.
A mulher de 40 não diminui o ritmo da intimidade. Pode ler um livro com a intensidade de um momento íntimo. Pode assistir um filme e conversar com a mesma intensidade. Ela não tem um momento para a sensualidade, a sensualidade é todo momento.
Tomar o café da manhã não é apenas um desjejum, tem a sua identidade, o seu ritual, um refinamento da história de seus sabores.

Tomar o café da manhã com uma mulher de 40 anos é participar de sua memória, de suas escolhas.

Ela não precisa mais provar nada. Já sofreu separações, e tem consciência de que suporta o sofrimento. Já superou dissidências familiares, e tem consciência de que a oposição é provisória. Já recebeu fora, deu fora, entende que o amor é pontualidade e que não deve decidir pelo outro ou amar pelos dois.

A mulher de 40 anos, cansada das aparências, cometerá excessos perfeitos. É mais louca do que a loucura porque não se recrimina de véspera. É ainda mais sábia do que a sabedoria porque não guarda culpa para o dia seguinte.

A beleza se torna também um estado de espírito, um brilho nos olhos, o temperamento. A beleza é resultado da elegância das ideias, não somente do corpo e dos traços físicos.

Encontrou a suavidade dentro da serenidade. A suavidade que é segurança apaixonada, confiança curiosa.

O riso não é mais bobo, mas atento e misterioso, demonstrando a glória de estar inteira para acolher a alegria improvisada, longe da idealização, dentro das possibilidades.

Não existe roteiro a ser cumprido, mapa de intenções e requisitos.

Há a leveza de não explicar mais a vida. A leveza de perguntar para se descobrir diferente, em vez de questionar para confirmar expectativas.

Ser tia ou mãe, ser solteira ou casada não cria angústia. Os papéis sociais foram queimados com os rascunhos.

A mulher de 40 é a felicidade de não ter sido. É a felicidade daquilo que deixou para trás, daquilo que negou, daquilo que viu que era dispensável, daquilo que percebeu que não trazia esperança.

Seu charme vai decorrer mais da sensibilidade do que de suas roupas. O que ilumina sua pele é o amor a si, sua educação, sua expressividade ao falar.

A beleza está acrescida de caráter. Do destemor que enfrenta os problemas, da facilidade que sai da crise.

A beleza é vaidosa da linguagem, do bom humor. A beleza é vaidosa da inteligência, da gentileza.

Depois dos 40 anos não há depois, é tudo agora.

E ai quem mais se identifica.

Vanessa Bonafini