Como faço para trazer mais atenção plena para minha vida?

How to find inner peace by disconnecting from drama, technology and stressful lives.

Você já começou a comer um sorvete de casquinha, deu uma ou duas lambidas e depois percebeu que só tinha um guardanapo pegajoso na mão? Ou foi a algum lugar e chegou ao seu destino apenas para perceber que não notou nada ou ninguém que conheceu pelo caminho? Claro que sim! Esses são exemplos comuns de “estupidez” ou, como algumas pessoas colocam, “entrar no piloto automático”. O que pode levá-lo a se perguntar, como posso trazer mais atenção plena à minha vida cotidiana?

Todos nós caímos em hábitos de mente e corpo, de atenção e desatenção que resultam em não estarmos presentes em nossas próprias vidas. As consequências dessa desatenção podem ser bastante caras. Eles podem resultar na perda de algumas coisas realmente boas e também em ignorarmos informações e mensagens realmente importantes sobre nossa vida, nossos relacionamentos e até mesmo nossa própria saúde.

Um antídoto importante para essa tendência de “desligar-se”, de entrar no “piloto automático”, é praticar a atenção plena. Praticar a atenção plena significa prestar mais atenção cuidadosa de uma maneira particular. Todos nós temos a qualidade da atenção plena em nós. É a qualidade da consciência pura que sabe o que está aqui no momento presente. A plena atenção sabe o que está acontecendo fora e também dentro de nossa própria pele.

6 dicas simples para praticar a atenção plena todos os dias

  1. Permita que sua mente divague .  Especialmente se você começou à praticar a pouco tempo, algumas pessoas levam um tempo significativo por apenas algumas respirações ou por alguns minutos totalmente desconectados. Pratique a bondade e a paciência consigo mesmo quando isso acontecer e retorne a consciência à sensação da respiração e relaxamento.
  2. Observe qualquer tendência a ser duro consigo mesmo, a se sentir frustrado ou fracassado. Veja esse tipo de julgamento como apenas outro tipo de pensamento e vai aos poucos mudando a situação e volte a atenção para a respiração.
  3. Insista no relaxamento , especialmente se você praticar por apenas alguns dias as respirações ou por alguns momentos. Esse sentimento relaxado é um aliado. Isso nos ajuda a estar mais presentes, mais conscientes. No entanto o relaxamento por si só não é o significado da atenção plena! É estar presente com consciência.
  4. Fique atento as mudanças , incluindo coisas mais dolorosas. Isso é realmente um progresso. Você não está fazendo nada de errado! Muito pelo contrário, você está aumentando a atenção plena para todas as coisas. Quando você começar a notar as coisas dolorosas , veja se você consegue se manter com compaixão e bondade e continue a trazer a consciência de coração aberto para a experiência que está se desenvolvendo.
  5. Pratique ficar presente.  Ao não nos afastarmos das coisas dolorosas em nossas vidas, podemos aprender a permanecer abertos a todas as possibilidades em cada situação. Isso aumenta nossas chances de cura e transformação ao enfrentar a dor que enfrentamos. E também nos dá uma maneira de lidar com as situações em que nada mais podemos fazer para fugir da dor, mas devemos encontrar uma maneira de lidar com ela. Podemos descobrir que a qualidade da atenção plena não é destruída ou danificada pelo contato com a dor, que ela pode conhecer a dor tão completa e plenamente quanto conhece qualquer outra experiência.
  6. Tenha cuidado para não se esforçar muito. Não desista de fazer as coisas acontecerem , ou alcançar quaisquer estados especiais ou efeitos especiais! Simplesmente relaxe e preste o máximo de atenção que puder ao que está aqui agora. Qualquer forma que assuma. Permita-se experimentar a vida diretamente à medida que ela se desenvolve, prestando atenção cuidadosa e sincera.

Como a atenção plena nos ajuda a estar mais presentes

Nossas reações aos eventos estressantes de nossas vidas podem se tornar tão habituadas que ocorrem essencialmente fora de nossa consciência, até que por causa de disfunção física, emocional ou psicológica, não podemos mais ignorá-los. Essas reações podem incluir tensionar mais o corpo, experimentar estados emocionais dolorosos, até mesmo pânico e depressão, e ser prisioneiro de hábitos de pensar e falar consigo mesmo, incluindo fazer listas obsessivas e uma autocrítica intensa, mesmo tóxica.

Tudo o que temos a fazer é estabelecer a atenção no momento presente e permitir-nos estar com o que está aqui.

Assim, podemos praticar a atenção plena e nos tornar mais presentes. Tudo o que temos a fazer é estabelecer a atenção no momento presente e permitir-nos estar com o que está aqui. Para descansar na consciência do que está aqui. Prestar atenção sem tentar mudar nada. Permitir que nos tornemos mais profundo e completamente conscientes do que estamos sentindo. E estar com o que estamos experimentando. Para descansar nesta qualidade de ser, de estar atento, a cada momento que nossa vida se desenvolve.

E na medida em que podemos praticar o “ser” e nos tornar mais presentes e mais conscientes de nossa vida e em nossa vida, o “fazer” que fazemos sobre tudo isso, será mais informado mais responsivo e menos impulsionado pelo hábitos de reação e desatenção .

Faça o esforço! Sempre que você pensar nisso durante o dia ou à noite, lembre-se de que você pode estar mais atento. Veja por si mesmo como seria prestar mais atenção e permitir-se experimentar diretamente o que está aqui, especialmente incluindo o que está aqui em seu próprio corpo, coração e mente.

Como praticar a plena atenção ao longo do dia

Existem três maneiras simples de adicionar mais atenção plena à sua vida diária:

  1. Ao iniciar uma nova atividade, iniciar uma reunião com 2 minutos de silêncio e atenção na respiração, ou respirar profundamente antes de entrar no quarto de um paciente, ou focar na respiração antes de iniciar sua rotina de exercícios, são algumas possibilidades.
  2. No meio de uma situação ou processo contínuo chamar a atenção para a respiração ou para as sensações que surgem ao lavar pratos , comer uma refeição , passear com o cachorro, fazer um trabalho etc.
  3. Ou quando você está apenas esperando, entre as coisas da sua programação diária e cotidiana trazendo a atenção para a respiração ou os sons ou as sensações ou as imagens ou mesmo os pensamentos enquanto está no sinal vermelho, em uma fila no ponto de ônibus ou no supermercado, ou esperando que outra pessoa chegue.

Nessas situações, use a sensação da respiração como a “âncora” para a consciência no momento presente. Estabeleça a atenção plena no foco estreito apenas da sensação da respiração. Permita-se sentir a respiração enquanto ela entra e sai e a pausa entre a inspiração e a expiração. Não tente controlar a respiração. Simplesmente deixe-o ir e vir. Preste atenção, da maneira mais completa e contínua que puder, à sensação direta da respiração.

Depois de algum tempo, se desejar quando tiver estabelecido a consciência sobre a sensação da respiração, você pode ampliar o foco para incluir todas as sensações do corpo junto com a sensação da respiração. Novamente, não tentando mudar nada. Simplesmente se permita sentir e estar ciente das mudanças de sensações no corpo.

Depois de algum tempo novamente, se desejar você pode ampliar ainda mais o foco para incluir tudo o que está presente. Isso significa tudo o que você está ouvindo, vendo, saboreando, cheirando, tocando ou mesmo pensando. Apenas pratique estar com essas experiências diferentes conforme elas se desenvolvem. Permitindo-se sentir sua vida neste momento. Descansando em plena consciência, a consciência de coração aberto e sem escolha do que está aqui neste momento.

Sempre que você se sentir perdido, confuso ou frustrado, mude o foco e volte a atenção para a sensação da respiração. Você pode ter que fazer isso com freqüência. Está tudo bem. Ou você pode querer se concentrar principalmente na respiração, especialmente se for novo na meditação. Isso também está ok. O importante é a qualidade da consciência que você traz para o momento. Um momento de atenção plena, uma respiração quando estamos verdadeiramente presentes, pode ser bastante profundo. Veja por si mesmo.

Você pode praticar a plena consciência dessa maneira durante o dia e a noite. Pratique algumas respirações de cada vez, mesmo por alguns momentos de atenção plena. E, se desejar você pode tornar esta prática de meditação mais “formal” , reservando algum tempo ou alguns minutos a uma hora ou mais, como desejar no seu quarto, (aconselho para quem é iniciante) livre de outras atividades ou distrações para dedicar total atenção a simplesmente estar presente, estar atento ao que está presente. Com o tempo, você pode descobrir que a prática “formal” apóia e fortalece sua capacidade de praticar “informalmente” durante o dia e a noite em diferentes situações.

Vanessa Bonafini

http://www.vanessabonafini.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s