Positividade e Crescimento real acontece nas trevas, gatilhos, ansiedade e dor.

Por mais que a descida para a escuridão comece, ela sempre contém perfeitamente tudo o que precisamos para curar e crescer.

Talvez seja um desvio das coisas que nos nutrem, um forte gatilho em nosso ambiente, um revés percebido ou uma reação à dor.  

De qualquer maneira, existe um conhecimento interno de que algo está desequilibrado. Essa pequena voz é seguida pela cascata da resposta ao medo, e a luta contra nossa “negatividade” percebida geralmente começa.

Essa luta nasceu quando o nosso ego venceu o argumento com a nossa intuição. Começou como uma negociação, depois fizemos um passo em falso. Provavelmente escolhemos o que seria bom agora. Provavelmente jogamos fora o que pode ser desconfortável, mas mais tarde trará uma verdadeira recompensa ao nosso bem-estar.

Provavelmente não estávamos nos sentindo muito bem quando fizemos essa escolha. Podemos ter feito isso por desespero real de sermos transformados em polpas por circunstâncias difíceis ou sentimentos com os quais não queremos lidar.

Em seguida, a batalha interior começa. A rebelião. “Eu não quero me sentir assim!” nós podemos gemer. “Isso não deveria estar acontecendo comigo!” nós protestamos. “Por que eu não posso apenas ser positiva ?” nós gritamos com a nossa dor. Neste momento, partimos para as corridas, descendo em espiral em um desfile de autopiedade para evitar a emoção subjacente a tudo: o medo de que nossa escuridão nos engula por inteiro.

As ondas e os gatilhos começam a cair em rápida sucessão, enquanto lutamos contra a tempestade dentro de nós. Abandonamos a auto-nutrição e o cuidado ao sucumbir à dúvida e à futilidade mais uma vez. A escuridão toma conta e realmente começa a nos engolir, de qualquer maneira. Sentimos que estamos nos afogando quando a realidade é que ainda estamos nadando.

Quanto tempo ficamos lá, agitando com os disjuntores caindo sobre nós, depende de muitas coisas. Somos pulverizados até o que sempre deveria acontecer finalmente. Até que eles nos destruam com tanta força que lembramos de nos render, vire-se para enfrentar nossa dor e deixe que ela nos leve aonde ela precisa ir. Até permitirmos que nossa consciência brilhe como um farol sobre aquela coisa difícil que julgamos ruim ou errada , provavelmente por décadas.

A ironia é que a coisa ruim que estamos lutando para reprimir é sempre aquela que precisa de nossa atenção e amor imediatos. A mudança para nutrir e apoiar o eu nesse estado de coação (também conhecido como negatividade) permite um relaxamento nele, e nossa resposta de luta ou fuga finalmente começa a se soltar. Porque o processo real de deixar ir significa abraçar o que dói, não se forçar a contorná-lo com positividade tóxica.Sempre resulta no mesmo milagre, eventualmente. O sistema nervoso se acalma, as areias abaixo de nós param de se mexer por um tempo. O sol nasce e obtemos uma visão profunda e verdadeiramente valiosa de nós mesmos, o que permite que outra camada de nossa identidade falsa se rompa e desapareça.

A luta e a rendição à nossa escuridão interior é o catalisador da nossa metamorfose, da profunda jornada ao nosso núcleo.

Nunca deixa de me surpreender como cada vez que somos sugados é apenas mais uma tempestade perfeita. Como a sabedoria contida no sofrimento pode nos levar para mais perto de nos alinharmos com nossos eus mais verdadeiros, por mais convencidos que estivéssemos, isso nos arruinaria. Porque talvez fosse isso o que deveria acontecer o tempo todo. O que estávamos segurando com tanta força e afastando simultaneamente era sempre a nossa salvação.

Não há nada que eu tenha encontrado, em toda a minha busca pela distração em busca de prazer, que possa se comparar com o sentir-se à vontade em si mesmo. A rendição à sabedoria em nossas trevas é alquímica e de tirar o fôlego. Isso nos traz de volta à nossa integridade.Paramos de tropeçar para nos recompor, porque percebemos que nunca fomos quebrados.

Ansiedade é simplesmente a percepção de que algo está “errado”.Depressão é o peso da futilidade de se comprometer demais com isso. A rendição à realidade, por mais dolorosa que seja, nos leva de volta à nossa integridade inata e ao fluxo da vida. Nada. Sente. Melhor.

Sentimos que estávamos morrendo, mas percebemos que ainda estamos aqui, que somos capazes de sobreviver a qualquer coisa, exceto nossas identidades falsas.

É quando o guerreiro nasce. Quem entende que se rende à realidade foi a única maneira de vencer . Que a batalha contra o eu interior é inútil. Que as chaves da liberdade estão na dor e no desconforto.

Esse processo é não linear e repetitivo, como uma espiral. Muitas vezes parece loucura e negatividade. Podemos pensar que terminamos, apenas para nos encontrar novamente na tempestade perfeita mais uma vez.

Não há maneira certa ou errada de curar, apenas nosso próprio caminho.É uma jornada profundamente pessoal, baseada exatamente nas lições que estamos aqui para descobrir,descobrir e expor à luz, para que eles possam começar a nos levar cada vez mais fundo naquela espiral em direção a quem sempre devemos ser.Essas lições estão contidas em nossa dor mais sombria.

O negativo é o caminho para descobrir o nosso verdadeiro eu. É nessa luta e rendição que encontramos nossas profundas reservas de força interior e resistência para viver uma vida de destemor e coragem.Realmente nos libertar. Para seguir nossa felicidade. Experimentar a alegria que existe em um poço de gratidão quando percebemos que podemos enfrentar qualquer tempestade.

É abraçando a escuridão que encontramos nosso caminho de volta à luz.Então, f * ck positividade, e abrace sua dor mais profunda. Ele sempre esteve lá, esperando sob todas as banalidades espirituais da nova era e vergonha para trazê-lo de volta para casa.

Vanessa Bonafini

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s